Sun. Dec 4th, 2022


Esta resenha faz parte de nossa cobertura do Festival de Cinema de Nova York de 2022.


O lance: A história horrível, profundamente vergonhosa e profundamente americana de Emmett Till galvanizou o movimento pelos direitos civis com sua tragédia: um menino negro de 14 anos de Chicago, visitando parentes no Mississippi, foi sequestrado, torturado e assassinado por ter a temeridade de interagir com uma mulher branca, e a mãe de Emmett, Mamie Till-Mobley (então conhecida como Mamie Till-Bradley) tomou a importante decisão de ter um funeral de caixão aberto para seu filho, exibindo seu corpo, mutilado por seus assassinos e inchado por ser despejado em um rio.

Essas imagens, amplamente divulgadas em publicações negras, chamaram a atenção para os males e a injustiça do racismo nos EUA – embora não fossem suficientes para que os assassinos de Till (que admitiram o crime um ano depois) fossem levados à justiça. Até reconta este capítulo crucial no movimento dos direitos civis principalmente através de Mamie (Danielle Deadwyler) e sua convicção cada vez mais forte, em meio a uma dor insondável, de que a história de seu filho precisava ser contada – e que apenas essas imagens poderiam contá-la.

Tour de Force: Tanto de Até depende de Danielle Deadwyler – às vezes demais. Não porque o desempenho de Deadwyler seja aquém, mas porque o filme, por necessidade, a envia através de tal desafio de desespero, que ela então deve explicar ao público. Isso parece verdadeiro para sua história; Till-Mobley não estava apenas sofrendo publicamente, mas reunindo forças para mostrar como a morte de seu filho era produto de racismo que não podia ser ignorado ou ignorado.

Embora seus discursos sobre o assunto sejam de partir o coração, alguns dos momentos mais assustadores do filme acontecem antes de Emmett (Jalyn Hall), apelidado de Bobo, sair para visitar seus primos do Mississippi. A diretora Chinonye Chukwu encena momentos em que Mamie está curtindo a companhia de seu filho, cantando ou rindo, e seus olhos vão para outro lugar, como se memórias futuras a possuíssem momentaneamente nesses momentos felizes – como se o próprio tempo tivesse sido distorcido pelo pesadelo de um pai. Mais especificamente, este é o pesadelo de um pai negro, e que ainda tem uma terrível chance de se tornar realidade.

“Preciso vê-lo”: Chukwu faz a escolha ousada e fascinante de fotografar Até em cores vibrantes, em vez das tristes paletas “históricas” tão frequentemente usadas para retratar tragédias do passado. Tanto Chicago quanto Mississippi aparecem com brilho, tornando ainda mais difícil desviar o olhar tanto da beleza da alegria juvenil de Emmett quanto da hediondez do racismo que acaba com sua vida.

O filme conecta a dor de Mamie à necessidade de testemunhar: mesmo antes de começar a trabalhar mais diretamente com ativistas para contar a história de Emmett, Mamie tem certeza de seu desejo de que o corpo de seu filho retorne a Chicago: “Preciso vê-lo”. Sua cena com o corpo, estrategicamente escondido do público até que, finalmente, não é, é arrasador. Quando o filme se transforma, brevemente, em uma imagem de processo judicial, também ameaça se tornar mais convencional.

Até a Revisão Danielle Deadwyler

Até (MGM)



By roaws