Thu. Feb 9th, 2023



É 1961 e a construção do Muro de Berlim começou. Sob a direção de Walter Ulbricht, Berlim é dividida em setores leste e oeste. Muitos alemães tentam cruzar o muro – por cima ou por baixo – enquanto os de Berlim Oriental procuram alcançar a liberdade do outro lado. Os primos Paul (Lewis Bruniges) e Freddie (Oliver Yellop) se encontram há meses para cavar secretamente um túnel para sua fuga para o oeste. Niall Ransome fornece acompanhamento de guitarra e Krautrock do lado do palco. Enquanto cavam, eles falam sobre as coisas comuns sobre as quais os jovens falam:…

Avaliação



OK

Um grande conceito, mas que deixa túneis fascinantes inexplorados.

É 1961 e a construção do Muro de Berlim começou. Sob a direção de Walter Ulbricht, Berlim é dividida em setores leste e oeste. Muitos alemães tentam cruzar o muro – por cima ou por baixo – enquanto os de Berlim Oriental procuram alcançar a liberdade do outro lado. Primos Paulo (Lewis Bruniges) e Freddie (Oliver Yellop) estão se reunindo há meses para cavar secretamente um túnel para sua fuga para o oeste. Niall Ransome fornece acompanhamento de guitarra e Krautrock do lado do palco.

Enquanto cavam, eles falam sobre as coisas comuns sobre as quais os jovens falam: noites bebendo, garotas e tópicos que podemos apenas imaginar que eram as coisas comuns sobre as quais os jovens falavam naquela época e lugar. Isso inclui a Stasi – a polícia secreta – e o uso de informantes para espionar a população.

Os jovens são tão despreocupados a ponto de não se preocuparem em serem pegos ou em descobrir as ramificações do túnel? Há uma curiosa falta de exploração disso, mesmo quando a peça dá uma guinada e o túnel desmorona. Em vez disso, passamos para uma história de amor, com uma traição, quase do nada, que cria uma barreira entre os dois primos, que então se movem literalmente em direções opostas no túnel. Uma área de discussão potencialmente fascinante surge quando descobrimos o envolvimento de um primo com a Stasi, mas infelizmente isso é inexplorado, embora uma peça excelente e conectada de trabalho de luta rápida saia muito bem.

Há uso eficaz de luz e som (Fergal Mulloy) e direção inteligente por Colin Ellwood para nos mostrar os dois primos abaixo do solo, Paralelamente, há um trabalho de design simples, mas inovador, em que pequenas peças de metal definem bem o túnel e demonstram algum do esforço que seria necessário para escavá-lo e sustentá-lo.

Infelizmente, túneis às vezes se move um pouco rápido demais, principalmente quando ocorrem mudanças de cena. As luzes diminuem instantaneamente assim que uma linha é concluída e, mais de uma vez, um pouco mais de espaço para respirar teria sido apreciado.

Esta peça tem um ótimo conceito e aborda várias áreas que podem resultar em um ótimo drama. Eu adoraria ver esses túneis (desculpe!) E para algo realmente forte sair do trabalho em uma corrida futura.


Escrito por: Oliver Yellop
Dirigido porColin Ellwood
Design de som por Fergal Mulloy
Música de Benji Hooper

Tunnels se apresenta no Park Theatre como parte de sua Faça o meu um duplo temporada com a Press (resenha aqui). Os ingressos podem ser comprados separadamente ou como uma conta dupla com desconto. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By roaws