Tue. Oct 4th, 2022


Montagem Roxy – Central


Montagem Roxy – Central Com certeza você nunca verá outro show como esse! Famous Puppet Death Scenes é uma performance bastante extraordinária sobre a morte, ela mesma excitantemente viva com a invenção. Consiste em uma série de cenários bizarros, muitas vezes absurdamente cômicos, nos quais vários personagens estranhos encontram seu fim. Cada história da cápsula é meticulosamente trabalhada, com uma enorme variedade de formas de marionetes usadas ao lado de atores humanos, mas todas têm mortes como um tema comum – algumas mais horríveis que outras. Há uma estética requintada e grotescamente distorcida na produção, que é igualmente fascinante e desconcertante. O palco…

Avaliação



Imperdível!

Uma curiosidade cômica bizarra e desconcertante que explora primorosamente o espaço peculiar entre a vida e a animação. Você vai ofegar, você vai rir alto. Você vai se lembrar disso até o dia de sua morte.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

Você certamente nunca verá outro show como este! Famosas cenas de morte de marionetes é uma performance bastante extraordinária sobre a morte, ela mesma excitantemente viva com a invenção. Consiste em uma série de cenários bizarros, muitas vezes absurdamente cômicos, nos quais vários personagens estranhos encontram seu fim. Cada história da cápsula é meticulosamente trabalhada, com uma enorme variedade de formas de marionetes usadas ao lado de atores humanos, mas todas têm mortes como um tema comum – algumas mais horríveis que outras.

Há uma estética requintada e grotescamente distorcida na produção, que é igualmente fascinante e desconcertante. O palco é montado como um teatro de marionetes tradicional, envolto em cortinas teatrais listradas de vermelho e branco, com uma tela circular acima, que lembra um ‘olho que tudo vê’, no qual são exibidas legendas. Uma série repetitiva de cenários infinitamente inventivos – muitas vezes belíssimos – fornecem o pano de fundo para cada cena sangrenta.

As histórias são apresentadas com precisão profissional e equilibrada pela talentosa equipe de Louisa Ashton, Aya Nakamura e Teele Uustani, que não apenas caracterizam e manipulam marionetes habilmente, mas empregam um timing impecável em sua entrega, resultando em tensão verdadeiramente elétrica e risadas explosivas. A antecipação excruciante do que pode vir a seguir é quase tangível, deixando o público empoleirado na beirada de seus assentos, até ser aliviado apenas por outra morte. As histórias são muitas vezes histericamente absurdas ou ridículas – de tal forma que às vezes eu ria tanto que literalmente chorava – mas pode ser penetrantemente simples; encenando um último suspiro, mas destacando-o no centro do palco.

A iluminação atmosférica e altamente definida dá destaque exatamente onde é necessário, ou conduz o olhar pelo conjunto para enfatizar pontos no desempenho. Uma trilha sonora cativante, exótica e eclética oferece tudo e qualquer coisa, desde ópera de ponta a sons de peido. Isso torna o uso da linguagem amplamente desnecessário, então, quando as palavras são ditas, elas têm um enorme impacto – geralmente cômico.

O show é uma exploração fascinante da manipulação emocional humana. A própria arte da marionete exige um envolvimento imaginativo íntimo entre o espectador, o boneco e seu operador, onde o público deve suspender a descrença e renunciar voluntariamente ao controle. Aqui, nós simpatizamos com os bonecos deliciosamente caracterizados, mas depois rimos enquanto eles são destruídos friamente na nossa frente, desfrutando de sua angústia, extraindo uma curiosa forma de schadenfreude de dentro de nós.

O público também é sutilmente conduzido pelas legendas. Às vezes eles exibem títulos de cenas, mas ocasionalmente mostram apenas palavras isoladas, talvez sugerindo que o público aplauda, ​​ou que haja gritos. É quase como se não fossem apenas comentários, mas comandos, manipulando a resposta do público de outra maneira. Tudo isso levanta a questão ‘quem são os fantoches aqui?’, que é ressaltada no final do show.

Se há um show para realmente fazer você se sentir vivo no Edinburgh Fringe, tem que ser Famosas cenas de morte de marionetes. É uma produção absolutamente magnífica e extremamente agradável. Na morte há vida!


Direção: Peter Balkwill, Pityu Kenderes e Judd Palmer
Figurinos: Jen Gareau
Iluminação e direção técnica por: Amelia Newbert
Som por: Mike Rinaldi
Definido por: Riley Miljan/Tech Art Custom Creations

Famous Puppet Death Scenes toca no EdFringe 2022 até 28 de agosto. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By roaws