Mon. Oct 3rd, 2022


O Teatro Esperança


The Hope Theatre Blue Balloons Pink abre com Maggie (Daisy Roe) e Ash (Ruaridh Aldington) em sua sala de estar, preparando-se para a festa de revelação do sexo do bebê. Bem, Ash é, mas é óbvio que Maggie está menos interessada e parece estar bebendo álcool regularmente, então você suspeita que ela possa estar em negação.  À medida que a performance começa, fica claro que Ash é mais do que um pouco controlador. Inicialmente você assume que ele é apenas alguém que é organizado e gosta de planejar, mas gradualmente seu caráter volátil se revela como alguém extremamente manipulador e tóxico. Ele escolhe…

Avaliação



Bom

Um retrato poderoso e ameaçador da realidade do bullying psicológico em um relacionamento aparentemente feliz.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

Balões Azuis Rosa abre com Maggie (Daisy Roe) e Cinza (Ruaridh Aldington) em sua sala de estar, preparando-se para a festa de revelação do sexo do bebê. Bem, Ash é, mas é óbvio que Maggie está menos interessada e parece estar bebendo álcool regularmente, então você suspeita que ela possa estar em negação.

À medida que a performance começa, fica claro que Ash é mais do que um pouco controlador. Inicialmente você assume que ele é apenas alguém que é organizado e gosta de planejar, mas gradualmente seu caráter volátil se revela como alguém extremamente manipulador e tóxico. Ele escolhe o que Maggie veste e planejou sua gravidez com cuidado, até como ela deve se sentar e quando são suas consultas médicas. Uma corrente de ameaça se aproxima e há suspiros audíveis de membros da platéia enquanto ele instrui Maggie sobre o que ela pode e não pode fazer. Apesar de ser de duas mãos, outras vozes são tecidas efetivamente no diálogo, usando mensagens de texto da mãe de Ash, por exemplo, para reforçar a asfixia que Maggie está experimentando.

Este é um roteiro sutil e inteligente, aprimorado ainda mais por atuações muito fortes de ambos os atores. Uma sensação de perigo e ameaça silenciosa é avançada ao longo da peça até o final, quando não pode haver um membro da platéia que não esteja interiormente desejando que Maggie fuja por sua segurança e sanidade. A trajetória natural do relacionamento é reforçada por uma série de flashbacks de cenas mais despreocupadas da história do casal – nada fácil de fazer em um espaço íntimo sem mudança de cenário – mas funcionam bem e são uma prova da capacidade de atuação do casal. À medida que o enredo se desenvolve, torna-se óbvio que uma revelação está por vir, mas o final é uma surpresa genuína. É ao mesmo tempo horrível e instrutivo, mostrando como o gaslighting e o bullying sob o disfarce de um relacionamento íntimo e aparentemente amoroso se desenvolvem quase imperceptivelmente, e por que a pessoa que está sendo intimidada se sente presa e impotente.

Compositores Joel Oldham e Anna Foye escreveram algumas músicas primorosamente assombrosas, que complementam esta peça lindamente. O efeito é pungente. Cenógrafo Lucy White aproveitou bem o pequeno espaço, com adereços suficientes para apoiar a ação, mas não tantos a ponto de sobrecarregar o set. Em particular, as entradas e saídas são utilizadas de forma eficaz.

O tempo de execução da peça foi cobrado como uma hora, mas ao vivo levou uma hora e 20 minutos, o que parecia muito longo. Parte do conteúdo, principalmente as cenas anteriores entre o casal, poderia ter sido editada para deixar a peça mais nítida. No entanto, este é um relato perturbador e gráfico da sutileza da manipulação psicológica e do bullying não físico e funcionou bem, comovendo genuinamente o público.


Escrito por: Daisy Roe
Direção: Miranda Kingsley
Produção: Teatro do Comportamento Juvenil

Blue Balloons Pink toca no The Hope Theatre até 27 de agosto. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By roaws