Mon. Oct 3rd, 2022


Teatro Etcetera


Etcetera Theatre Hansa Studios em Berlim foi o lar de algumas das melhores gravações de todos os tempos. É um lugar onde gigantes foram para se redescobrir ou se reorganizar em algo novo. É onde David Bowie gravou ‘Heroes’, Iggy Pop gravou ‘Lust for Life’ e U2 gravou ‘Achtung Baby’. Nesse contexto, Berlim significa algo para muitos fãs de música. Então já existe um tom entre o título, Berlin, e o conceito: uma banda se reunindo em um estúdio de gravação em Berlim três anos após o suicídio do vocalista. O script…

Avaliação



Bom

Berlim parece um trabalho em andamento, mas que tem um talento claro no elenco e, em particular, no roteiro de Whinney.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

O Hansa Studios em Berlim foi o lar de algumas das melhores gravações de todos os tempos. É um lugar onde gigantes foram para se redescobrir ou se reorganizar em algo novo. É onde David Bowie gravou ‘Heroes’, Iggy Pop gravou ‘Lust for Life’ e U2 gravou ‘Achtung Baby’. Nesse contexto, Berlim significa algo para muitos fãs de música. Então já existe um tom definido entre o título, Berlime o conceito: uma banda se reunindo em um estúdio de gravação em Berlim três anos após o suicídio do vocalista.

O roteiro de Holly Whinney é afiado. Berlim é legendado como “A Dark Comedy” e mais do que marca as duas caixas. Os quatro membros de uma banda de Britpop de sucesso dos anos 1990 tiveram seus altos e baixos, há referências a drogas e bebidas. Berlim aborda a masculinidade tóxica com desenvoltura: vemos a toxicidade e vemos as razões pelas quais ela termina como termina. É realmente notável como o roteiro de Whinney mostra, não conta. Há equilíbrio e nuances, e mesmo quando vemos a toxicidade não se torna uma caricatura. Podemos simpatizar e talvez até entender algumas das queixas que os membros da banda têm uns com os outros. Tudo isso é feito com muita inteligência – não é subtexto ou simplesmente o tema abrangente, mas é mostrado em todo o roteiro e performances. Fiquei bastante impressionado com muito da escrita aqui. Também me divirto com a referência perfeitamente cronometrada ao Teatro Etcetera‘s AC que tanto contribui para tantos shows.

Enquanto eles chegam separadamente, inicialmente há uma brincadeira fácil entre os membros da banda no estúdio. Eles quase voltam a isso, talvez até contra seus instintos, pois se reúnem em circunstâncias tensas. É claro que os quatro não abordaram sua dor e a traição que alguns sentem; que eles têm memórias e opiniões diferentes e alguns têm idéias de onde eles consideram a culpa. Isso é Owen Walton como o guitarrista Martin que se destaca, dando um desempenho realmente convincente, desde o início parecendo confortável e habitando o papel. Há um pouco mais de altos e baixos na performance dos outros membros da banda, sugerindo talvez Berlim poderia ter feito um pouco mais de tempo de ensaio, pois todos são talentosos e têm seus momentos.

Algumas das encenações parecem um pouco estranhas; as luzes diminuem ou piscam para mudanças de cena e não fica imediatamente claro que isso é apenas uma mudança de cena. Eu me perguntei por um momento se era um flashback – estávamos vendo a banda no cenário dos anos 90? A revelação bastante importante que pinta parte da metade anterior da peça sob uma luz diferente é um pouco apressada e poderia ter sido feita com mais algumas batidas no roteiro e na direção.

O roteiro de Whinney nos mostra efetivamente o que pode acontecer quando os homens não falam sobre seus problemas e se envolvem neles. Ele sugere um caminho a seguir e uma maneira de resolver seus problemas. Berlim atualmente parece mais um trabalho em andamento, mas é um que tem um talento claro no elenco e, em particular, no roteiro de Whinney.


Escrito e Dirigido por: Holly Whinney
Co-dirigido por: Cerys Baker

Berlim toca no Teatro Etcetera até 27 de agosto. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By roaws