Wed. Sep 28th, 2022



Rehana (Yasemin Özdemir) é uma jovem da cidade de Kobane, no norte da Síria. Nós a conhecemos em 2014: ela sonha em ser advogada, mas seu pai quer que ela assuma a fazenda. Depois de um desentendimento com alguns garotos locais, ele a tira da escola e a ensina a atirar. Poucos meses depois, ela passa a ser conhecida como o ‘Anjo de Kobane’; um combatente curdo supostamente matou mais de 100 militantes do Estado Islâmico. Rehana é provavelmente um mito, uma lenda do campo de batalha, talvez até mesmo uma peça de propaganda, projetada para…

Avaliação



Imperdível!

Yasemin Özdemir é poderoso e dinâmico, apresentando uma performance maravilhosamente memorável.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

Rehana (Yasemin Özdemir) é uma jovem da cidade de Kobane, no norte da Síria. Nós a conhecemos em 2014: ela sonha em ser advogada, mas seu pai quer que ela assuma a fazenda. Depois de um desentendimento com alguns garotos locais, ele a tira da escola e a ensina a atirar. Poucos meses depois, ela passa a ser conhecida como o ‘Anjo de Kobane’; um combatente curdo supostamente matou mais de 100 militantes do Estado Islâmico.

Rehana é provavelmente um mito, uma lenda do campo de batalha, talvez até uma peça de propaganda, projetada para assustar. Pedro Naylor’s Anjo pega esse mito e dá vida à história de Rehana. Seu roteiro é forte e tece humor ao longo dos muitos momentos sérios. Mesmo que a guerra se expanda e os locais mudem, estamos a par dos acontecimentos; dado tudo o que precisamos saber. Sob a direção de Peter Doran Anjo se move em um ritmo rápido, mas sem nunca se sentir apressado ou deixar o público para trás.

Há um trabalho particularmente bom também na iluminação (André Sturley), com efeitos sutis que mostram mudanças de dia e hora que também estão perfeitamente alinhadas com grandes momentos do roteiro. O conjunto é simples: duas paredes para se esconder atrás ou sentar e uma única caixa de madeira como suporte.

É nas mãos de Özdemir que esta peça se torna algo mais. Sua presença de palco é imensa quando ela se joga (literalmente às vezes) em seu papel e no elenco de personagens. Ela diferencia cada um de forma clara e brilhante, cada um com uma voz e maneirismo diferentes. Às vezes seus movimentos são exagerados para enfatizar a mudança; um giro rápido e ela agora é outra pessoa – mas sempre fica claro quem ela é. Às vezes, sua linguagem corporal é tão clara e explícita que sabemos quem ela se tornou antes mesmo da personagem falar. Esta é apenas uma parte de sua habilidade. Ela traz profundidade e emoção para Rehana enquanto seguimos sua jornada, desde a fuga de Kobane até seu eventual retorno para casa em circunstâncias muito diferentes. No final da noite, é óbvio quanto esforço, física e emocionalmente, Özdemir colocou para nos contar a história de Rehana.

Anjo é uma boa jogada. O roteiro é excelente por toda parte, enquanto esta produção é bem dirigida, bem encenada e mereceria uma boa crítica apenas por esses méritos. Mesmo com um desempenho menor, o show vale bem a pena ver. Aqui, porém, o Anjo de Özdemir faz voar, não deixando dúvidas de seu talento.


Escrito por Henry Naylor
Direção de Peter Doran
Iluminação por Andrew Sturley

Angel toca no The Hope Theatre até 17 de setembro. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By roaws