Fri. Dec 2nd, 2022


Todo dançarino tem um papel dos sonhos. Para alguns, é um personagem que eles sonharam em dançar, muitas vezes desde tenra idade. Para outros, vai além do palco – um papel dos sonhos pode ser menos sobre interpretar um papel específico ou dançar em um show específico e mais sobre encontrar uma carreira que pareça perfeitamente adequada para eles. Oito dançarinos compartilham o que foi necessário para conseguir seus papéis dos sonhos e como se sentiram quando chegaram lá.

Alex Clayton

Função: Dançarina da Companhia de Dança Paul Taylor

Alex Clayton não começou a praticar dança a sério até que ele estava no último ano do ensino médio. “Eu sabia que estava começando tarde”, diz ele. Ele também não se viu refletido em muitas das companhias de dança proeminentes do país. “Eu estava muito ciente dos filtros pelos quais eu teria que passar para conseguir um emprego profissional como um homem negro baixo”, diz ele.

Enquanto Clayton estudava dança no Stephens College, ele se apaixonou pela coreografia de Paul Taylor. Ele também foi inspirado pelo fato de que Taylor não parecia apegado a um “look” particular para seus dançarinos. Depois de se formar na faculdade em 2013, ele estudou na The Ailey School e foi membro do Graham 2 por um ano. Ele manteve seus olhos em Taylor, fazendo duas audições para a empresa sem sucesso. Clayton não desistiu: ele continuou tendo aulas, tornando-se um aluno bolsista na Taylor School e trabalhando como assistente de ensaio. “Isso me permitiu conhecer melhor os dançarinos”, diz ele, “e permitiu que a companhia me visse trabalhando bem com os dançarinos. Acho que, em última análise, é isso que Paul admirava – a confiança que ganhei.” Clayton conseguiu o emprego dos seus sonhos em 2017, quando foi convidado a ingressar na empresa.

Madeline Jafari

Função: Artista em PEDIR

Madeline Jafari fez teste para o fenômeno de longa data PEDIR, um dos primeiros shows que ela viu na cidade de Nova York, enquanto ainda estudava na Tisch School of the Arts da Universidade de Nova York. Jafari chegou à segunda rodada da audição, mas acabou sendo cortado. “Foi uma das minhas primeiras grandes audições. Acho que nem estava pronta para aceitar o emprego se tivesse conseguido”, diz ela.
Anos depois, durante a pandemia, Jafari estava se sentindo mais confiante como artista, mas com dúvidas sobre seu futuro. Enquanto pensava em se mudar para Austin, Texas, ela fez uma lista dos empregos que fariam valer a pena ficar em Nova York. PEDIR foi um deles. Ela fez o teste novamente e, após um processo relâmpago de três dias, conseguiu um lugar no show – com apenas seis semanas para se preparar antes de sair em turnê. “Houve muitas noites de choro” enquanto aprendia os ritmos complexos do show, diz ela, mas o processo a colocou de volta em contato com suas raízes como sapateadora rítmica de uma família musical. “Muito do meu foco tem sido na dança contemporânea”, diz ela, “mas acho que, antes de tudo, posso ser uma musicista”.

dançarina vestindo blusa e calça marrom se apresentando no palco
Madeline Jafari se apresentando em PEDIR em turnê. Foto por Steve McNicholas, cortesia PEDIR.

Melissa Almaguer

Função: Tocando com Dormeshia

A dançarina de sapateado mexicana Melissa Almaguer ficou encantada com Dormeshia – há muito considerada uma das maiores dançarinas de sapateado vivas – desde uma viagem a Nova York em 2017, quando viu Dormeshia se apresentar em O Projeto Blues com a Dança Dorrance. “Percebi que é isso que quero fazer pelo resto da vida”, diz Almaguer. “Quero fazer as pessoas se sentirem do jeito que ela me fez sentir.”

Almaguer estava visitando Nova York com visto de turista e, quando voltou para o México, trabalhou para obter um visto de artista e continuou aprimorando seu ofício, viajando pelo mundo para ter aulas com Dormeshia e outros mentores, como Derick K. Grant. “Deixo meu trabalho falar”, diz ela. Quando Almaguer se mudou para Nova York em 2022, Dormeshia a convidou para se apresentar com o Dormeshia Tap Collective no The Joyce Theatre. “Só estar no palco, olhando para ela e criando música com ela, foi mágico”, diz Almaguer. A oportunidade foi seguida por outro show dos sonhos: seu próprio set na The Jazz Gallery, algumas semanas depois.

dançarina tocando no palco com músicos
Melissa Almaguer. Foto de Daniela Legorreta, cortesia Almaguer.

Dre Torres

Função: Coreógrafo assistente de sapateado para Garota Engraçada Na Broadway

Como um jovem dançarino, Dre Torres sonhava em trabalhar na Broadway. Ela cresceu sapateando com Melba Huber, passou cinco anos como artista principal com Tapestry Dance, depois co-coreografou uma produção para a companhia de sapateado Old Kent Road, com sede em Londres, que percorreu o mundo. A Broadway saiu de seu radar até que seu mentor e colaborador Ayodele Casel se tornou o coreógrafo de sapateado para Garota Engraçada e convidou Torres para participar da produção como sua assistente. “Foi quase como uma volta à minha infância”, diz Torres. “Eu não acho que aquela garotinha em McAllen, Texas, realmente poderia ter previsto isso. Mas ela sonhou.”

Torres esteve envolvido na pré-produção de Garota Engraçada e depois ajudou a preparar a nova estrela Lea Michele para assumir o papel-título. “Era apenas eu, Ayodele e Lea no estúdio”, diz ela. “No momento em que me ofereceram esse papel, tive a capacidade de dizer sim, porque todas as outras coisas que fiz me prepararam para isso.”

3 mulheres sorrindo para a câmera
Torres com Lea Michele e Ayodele Casel. Cortesia Torres.

Alice Wells

Função: Alice em Alice no Pais das Maravilhas

Não foi apenas o nome compartilhado que atraiu Alice Wells para o papel de Alice. “Era um papel que eu sempre quis fazer, porque me relacionei com a curiosidade dela”, diz Wells. No ensino médio, ela assistia horas e horas de dança no YouTube e as muitas versões de Alice no País das Maravilhas com fantasias e adereços fantásticos estavam entre seus favoritos. No entanto, nem todas as companhias executam o balé – quando Wells ingressou no Missouri Contemporary Ballet (agora Mareck Dance), ela nem sabia Alice no Pais das Maravilhas fazia parte do repertório da empresa. Ela estava tão animada com o show que ficaria feliz com qualquer papel, mas ser escalada como Alice em 2019 parecia um “sonho tornado realidade”, diz ela.

Wells preparado lendo o livro. “Isso me ajudou a fazer conexões entre as cenas e permanecer no personagem”, diz ela. É também um papel pesado de atuação, que exigiu alguma preparação. “A atuação foi muito divertida, mas também desafiadora. Eu tive que trabalhar muito para me lembrar de reagir um pouco mais devagar e manter minhas expressões um pouco mais”, diz Wells. Agora morando em San Francisco, ela diz: “Eu adoraria fazer isso de novo, se pudesse”.

fêmea olhando surpreso sentado em uma cadeira de mãos dadas com dois outros dançarinos
Poços (centro) em Alice no Pais das Maravilhas. Foto por Jeff Bassinson, Cortesia Mareck Center for Dance.

Allie Hutchins

dançarina de vestido branco com véu branco
Allie Hutchins. Cortesia do American Liberty Ballet.

Função: Giselle

Não é difícil entender por que uma bailarina iria querer retratar o papel icônico de Giselle, uma das maiores heroínas românticas – e trágicas – do balé. “Eu me identifico muito com ela”, diz Allie Hutchins, dançarina principal do American Liberty Ballet em Nova Jersey. “Ela tem esse ideal de amor e foi tirado dela e esmagado, mas ela ainda o mantém mesmo na morte.”

A perseverança foi fundamental na jornada de Hutchins para garantir o papel, que ela sonhava em dançar desde a infância. Em 2016, quando ela tinha 20 anos, Hutchins foi atropelada por um SUV que bateu na janela do estúdio de dança de sua família, deixando-a incapaz de usar a perna direita por cerca de um mês. A recuperação completa foi um processo longo e difícil. “Eu realmente tive que trabalhar para ter força de apoio suficiente, mas depois encontrar liberdade dentro da forma de balé, para ser livre o suficiente para me mover como uma garota jovem e espirituosa novamente”, diz ela. Hutchins estreou como Giselle este ano, seu primeiro papel-título depois de ser promovido a diretor na temporada anterior.

Brandon Cournay

Função: Dinâmica, dança de gênero

Quando adolescente, Brandon Cournay cobiçou ser escalado para dois shows: Twyla Tharp’s Saindo e a épica produção de residência de Celine Dion em Las Vegas Um novo dia…, coreografado por Mia Michaels. Cournay adorou a maneira como ambas as produções fundiram o histórico comercial com o qual ele cresceu em um estúdio de competição e as influências de concertos de dança a que mais tarde foi exposto na Juilliard School. Mas quando ele se formou na faculdade em 2009, ambos os shows haviam fechado.

Cournay reformulou seu sonho, encontrando casas criativas que lhe permitiram explorar seu amor por estilos ecléticos. Primeiro, ele foi dançarino na Keigwin + Company. “Larry Keigwin nunca teve medo da cultura pop”, diz ele. E desde 2018, Cournay é membro do Mark Morris Dance Group, que alimenta seus interesses de novas maneiras. “O vasto repertório de Mark tem uma verdadeira diversidade de estilos”, diz Cournay. “Cada trabalho dele que eu faço parece realmente diferente, e isso me mantém criativamente ativo.”

dançarino masculino realizando arabesco com a ajuda de outros dois dançarinos
Cournay (centro) com Mark Morris Dance Group. Foto de Richard Termine, cortesia da MMDG.

Emily Buffer

Função: Professor na Steps on Broadway e Broadway Dance Center

Nem todos os papéis dos sonhos acontecem no palco: “Eu sabia desde cedo que queria ser educadora”, diz Emily Bufferd. Quando jovem, ela sempre ajudava professores – não apenas pelo benefício da mensalidade, mas porque adorava.
A partir do momento em que se mudou para Nova York aos 18 anos para seguir a carreira de dança, Bufferd começou a formar relacionamentos com seus professores favoritos, incluindo Tracie Stanfield, Shelly Hutchinson, Sheila Barker, Ginger Cox e Michèle Assaf. Ensinar em estúdios como Broadway Dance Center e Steps on Broadway tornou-se seu sonho. “Sinto que é importante ter que ganhar essas oportunidades”, diz Bufferd. “Esses estúdios são estúdios legados. As pessoas confiam seu treinamento a esses educadores há mais tempo do que a maioria dos dançarinos que vão para lá estiveram vivos”. Ela começou como uma substituta, lentamente trabalhando em vagas de professora convidada no BDC. Em um momento, ela diz que se sentiu quase bom demais para ser verdade, Bufferd recebeu uma vaga regular no Steps em 2018; um slot regular no BDC logo em seguida. Ela agora ensina uma série de aulas em ambos os estúdios, incluindo jazz, lírico, contemporâneo e saltos e voltas.

dançarina em estúdio
Emily Buffer. Cortesia BDC.

By roaws