Wed. Sep 28th, 2022



Vestindo uma jaqueta verde camuflada e um rosto cheio de maquiagem estilo Coringa de Heath Ledger, Gerard Way lidera o My Chemical Romance em sua primeira turnê norte-americana em mais de 900 dias, muitas vezes canalizando a mesma energia caótica de quem ele decorou seu rosto. As distorções estáticas efervescentes na introdução de “The Foundations of Decay”, o single surpresa lançado em maio em apoio à turnê de reencontro, praticamente servem como ruído branco por trás dos rugidos jubilosos da multidão enquanto a banda sobe ao palco dentro do Paycom de Oklahoma City. Arena. (Ganhe ingressos para o resto das datas da turnê do MCR aqui.)

Com duração épica de seis minutos, “The Foundations of Decay” apresenta uma versão pequena da mesma história de construção de mundo frequentemente associada aos álbuns do My Chemical Romance. Os primeiros versos de fala mansa de Way evocam a imagem de um general velho e maltratado no topo de uma colina, refletindo tanto em feridas físicas quanto emocionais. Os paralelos entre o protagonista e o próprio Way são claros, e os fãs de longa data do MCR sabem exatamente como o cantor conseguiu essas cicatrizes.

As palavras de Way carregam uma conotação pessoal, mas é um sentimento que provavelmente ressoa com muitos reunidos esta noite. Nas últimas décadas, a faixa etária principal da banda viveu o 11 de setembro, recessão, várias guerras, uma pandemia global e a sensação cada vez maior de que o status quo da sociedade pode se desintegrar a qualquer momento – condições chave para as histórias de origem niilista de uma geração. Então, enquanto a banda faz a transição para o crescendo uivante da música, e uma gigantesca cortina vermelha cai atrás deles para revelar um cenário distópico de torres da cidade em ruínas pairando sobre os destroços fumegantes no marco zero, o palco está finalmente montado. Aqui estamos nós, à beira do esquecimento. O que acontece agora?

Se o mundo está em sua era de decadência, Way e MCR parecem menos interessados ​​em salvá-lo e se contentam em sair rindo, chorando, furiosos. A transição do MCR forma sua mais nova música em “Bury Me in Black” e a adrenalina “Give ‘Em Hell Kid”, auxiliada pela percussão impressionantemente precisa do novo baterista Jarrod Alexander, que está se apresentando com a frase “BIG DEATH ENERGY” rabiscada em vermelho na frente do bumbo.

Um dos aspectos mais cativantes do MCR é seu catálogo rico em refrões e melodias cativantes implorando por uma cantoria, e a banda lança a uma multidão ansiosa seu primeiro osso com “Teenagers”. O guitarrista principal e backing vocal Ray Toro não pode deixar de sorrir enquanto anima os fãs. Embora a parte européia da turnê de reencontro tenha precedido as datas americanas, não há nada como uma multidão em casa; ouvir um público quase lotado recitar cada palavra de uma música de volta para a banda não é uma experiência nova para o MCR, mas esta é a primeira vez desde a pandemia que os membros a ouvem de um público americano. Além de alguns shows de reencontro, é também sua primeira turnê completa desde 2012. O abraço reconfortante de Nostalgia abraça toda a sala.



By roaws