Fri. Dec 2nd, 2022


Nota do editor: ArtesATL apresentou muitas histórias nos últimos anos nas próprias palavras dos artistas de Atlanta. Esta nova série, “My Atlanta”, chama a atenção para os fotógrafos, que usarão suas imagens e textos de apoio para ilustrar como viver em Atlanta inspirou suas carreiras e vidas.

Hoje apresentamos as palavras e a fotografia de Sheila Pree Bright.

::

Atlanta é como voltar para casa porque não tenho uma base do que significa ser criado em um lugar chamado lar. Meus pais são do Sul, mas eu não fui criado no Sul. Passei minha primeira infância na Alemanha, filha de um soldado.

Ao retornarmos aos Estados Unidos, nossa família viajou entre vários estados, incluindo Colorado e Kansas. Esses estados não tinham populações negras significativas, então quando me mudei para Atlanta foi como voltar para a Meca Negra do Sul, o que influenciou meu trabalho. Meu pai me incentivou a ir para a escola para estudar fotografia e eu recebi meu mestrado em Belas Artes na Georgia State University.

Sheila Pree Bright
Sheila Pree Bright

Como artista fotográfico, estou interessado em pessoas e comunidades que muitas vezes não são vistas. Minha primeira experiência como fotógrafo foi em Houston, onde fotografei a cena gangsta rap de uma forma que confrontava a dinâmica entre o hip-hop e a cultura das armas.

Também focalizei minha câmera no modo como as mulheres negras são tradicionalmente retratadas na cultura ocidental. Dentro Corpos de plástico, manipulei digitalmente fotografias de mulheres e bonecas multiétnicas e examinei a Barbie como um ícone cultural. O trabalho analisa a idolatria como se aplica à forma como a sociedade vê a beleza e as mulheres de cor.

Fui selecionado para o Working Artist Project do MOCA GA em 2014. Foi quando expus a série #1960Agora, apresentando retratos de ativistas da justiça social do passado e do presente com imagens documentais de protestos recentes nos Estados Unidos. Essa série lança luz sobre os paralelos entre o Movimento dos Direitos Civis dos anos 1960 e o movimento Black Lives Matter de hoje.

Estou honrado que o #1960Agora A série está em várias coleções, incluindo o Smithsonian African American History and Culture Museum, The High Museum of Art e The Center for Civil and Human Rights.

Quero capturar imagens de pessoas cujas ideias e respostas ao que está acontecendo no mundo raramente são ouvidas. Isso me leva a criar histórias contemporâneas sobre contextos sociais, políticos e históricos não vistos com frequência na mídia tradicional e nas plataformas de arte. Quero capturar aspectos da nossa cultura, e às vezes da contracultura, que desafiam as narrativas típicas do pensamento ocidental e das estruturas de poder.

Pelas lentes da minha câmera, Atlanta é onde recebi minha inspiração para criar histórias contemporâneas através de um olhar negro.

::

Sheila Pree Bright

Na pós-graduação, morando no centro da cidade, comecei a explorar a cidade com minha câmera. Enquanto caminhava pelas ruas, entre a comoção do trânsito, música alta e vendedores, fui atraído pelos sons de cânticos e pregações. Segui as vozes até parar na frente da estação de metrô Five Points. Em meio à azáfama dos pedestres estavam “pessoas comuns” ministrando a quem quisesse ouvir. Eles foram compelidos apenas a dar ao mundo uma mensagem.

::

Sheila Pree Bright

A cultura hip-hop é uma força a ser reconhecida em Atlanta. Em 2018, o rapper 2 Chainz alugou uma casa na Howell Mill Road em Midtown para promover seu novo álbum Garotas bonitas gostam de música trap. Sua campanha se tornou viral em plataformas de mídia social em todo o mundo. Os fãs lotaram a casa em massa e tiraram selfies na frente da casa.

::

À medida que continuei a desenvolver minha prática artística, fui cativado pela cena hip-hop, onde os jovens negros da cidade curtem o punk e as subculturas alternativas que falam através da música, arte, cinema e moda, do Apache Cafe ao Afropunk Festival. Adoro a frase do rapper André 3000 do OutKast, “O Sul tem algo a dizer”.

::

Sheila Pree Bright

Morando em Atlanta desde 2000, aprendi sobre a paisagem pródiga da cultura negra, do Movimento dos Direitos Civis à cultura hip-hop. Muitos jovens negros da cidade curtem o punk e as subculturas alternativas, falando através da música, arte, cinema e moda. O Afropunk Festival, que se originou no Brooklyn, em Nova York, e chegou a Atlanta pela primeira vez em 2017, tornou-se sua saída.

::

Tive a oportunidade de participar do Afropunk Festival na comunidade de Mechanicsville. Enquanto eu entrava no espaço e me movia ao som da música e das risadas, as pessoas se expressavam externamente através de sua estética afrofuturista, posando para os fotógrafos para capturar sua essência.

::



By roaws