Mon. Oct 3rd, 2022


Houve pelo menos quatro grandes festivais na América do Norte no fim de semana passado, sem incluir o Tomorrowland encerrando seu terceiro fim de semana na Bélgica, um dos quais sendo Lollapalooza em Chicago. O festival estaria comemorando seu 20º aniversário no ano passado se não fosse o COVID-19, forçando as edições de 2020 e 2021 a adiar, então este ano foi especialmente significativo em seu primeiro evento completo de volta.

Com Metallica, Dua Lipa, Machine Gun Kelly, J. Cole, Kygo, Kaskade, Green Day, The Kid Laroi e mais representando o top line, havia muito o que aproveitar na programação deste ano. Enquanto isso, no Perry’s Stage no sábado, algo lendário estava acontecendo: PEÇA LATERAL estava acumulando uma multidão inacreditável pela primeira vez jogando Lollapalooza.

Aqueles que tomaram a sábia decisão de ficar durante todo o set também foram testemunhas de uma visão incrível. Jim Peterik de Sobrevivente subiram ao palco e Nitti Gritti voltou para a bateria enquanto tocava uma versão ao vivo de “Eye of the Tiger”. Surpreendentemente, a banda nativa de Chicago nunca, nem uma vez, tocou no Lollapalooza (que, se você perdeu, é em Chicago), então este foi um momento verdadeiramente histórico para a Windy City.

Depois que soubemos do que aconteceu, tivemos que entrar em contato com Jason Rosenbaumparte da equipe de gerenciamento do SIDEPIECE (no lado do Party Favor para Space Camp Management), que também gerencia Wuki, Rossy e Hex Cougar, para descobrir o que foi necessário para fazer esse momento acontecer.

Como ou quando a ideia se materializou para que Jim Peterik do Survivor aparecesse no set do Lollapalooza?

Jason: Então essa pode ser a parte mais louca da história, curiosamente. Essa ideia só surgiu em fevereiro, apenas 5 meses antes do show. Eu estava conversando com uma editora apenas jogando ideias na parede para algumas amostras legais que meus clientes poderiam usar, e “Eye Of The Tiger” surgiu – tínhamos dezenas de ideias, mas essa ficou comigo imediatamente. Eu tenho alguns clientes que adoram samplear, mas minha mente pulou imediatamente para o SIDEPIECE, já que eles já fizeram alguns de seus próprios bootlegs/edições de algumas faixas não convencionais como essa. Deu as hastes para Party Favor que começou a faixa, ele terminou com Nitti cerca de uma semana depois, e uma semana depois já estava sendo tocada na turnê Kiss And Tell! No minuto em que ouvi o produto final e vi as reações insanas nos shows, eu sabia que tinha que fazer algo grande acontecer com ele e minha mente começou a correr. Eu pensei em todos os grandes shows que tivemos este ano, e então me lembrei… Survivor é uma banda nativa de Chicago, e nós estávamos agendados para o Lolla. Eu tenho que trabalhar nisso ali mesmo. Pensar que passamos de uma ideia pura durante um telefonema para AQUELA apresentação ao vivo em 5 meses é incompreensível, e eu realmente não percebi isso até digitar essa resposta.

Quais foram, se houver, alguns dos desafios enfrentados ao fazer o momento acontecer?

J: Algo que eu acho que muitas pessoas não percebem completamente é quanto trabalho dá para fazer um show épico ao vivo, mesmo para DJs. Os gerentes de turnê, o pessoal da mídia, a equipe de produção/visual, o SFX, o equipamento do DJ, tantas peças precisam se alinhar perfeitamente antes que o DJ entre no palco para dar aos fãs a experiência que eles esperam. No momento em que você começa a introduzir elementos ao vivo ou momentos planejados, fica 10 vezes mais complicado.

Jim é o guitarrista original do Survivor e o escritor original do Eye Of The Tiger, então o primeiro passo foi entrar em contato com ele e ver se ele gostava da música! Uma vez que tocamos para ele, ele adorou (grite para as lendas do rock com mentes abertas haha) e começou a falar sobre ideias para apresentações ao vivo, e todos concordaram imediatamente que Lolla era o lugar para fazer isso. Depois disso, começamos a buscar amplificadores de guitarra locais para Jim, Nitti também é um músico mega talentoso e decidiu tocar bateria ao vivo com Jim para um efeito ainda maior, então reservando sua bateria, os três caras trabalharam juntos por algumas semanas no exato versão ao vivo da música que eles tocariam para que pudessem ensaiar e preparar os tempos e os momentos no palco, trabalhamos com nossa equipe de produção para criar e programar o visual para acompanhar a música (naturalmente tivemos que usar uma montagem Rocky, em camadas com alguns de nossos outros conteúdos personalizados), eu diria que foram cerca de 30 horas de telefonemas e centenas de e-mails para criar este momento. Passamos 2 horas inteiras no Lolla checando o som da bateria, guitarra, nosso visual, praticando o momento, tudo para ter certeza de que estava impecável. Realmente uma quantidade insana de coordenação, planejamento, preparação e ensaio para criar uma experiência de 3 minutos para nossos fãs, mas que eles se lembrarão por muito tempo.

Absolutamente não poderia ter feito isso sem os esforços combinados de toda a nossa equipe estendida, tão profunda e sincera gratidão por Ryan, Corynne, Paul, Cheryl, Kleos, Mike, Nate, Ivan, Tyler, Jim, Joe, e acima de tudo, para Dylan e Ricky por confiarem em mim e na equipe com suas carreiras e acreditarem em nós para fazer isso acontecer para eles. Lembro-me de estar na Miami Music Week, nem mesmo um mês após a música ter sido feita, e pedir à equipe que me deixasse correr com minhas ideias – não posso agradecer o suficiente por confiarem em mim, e estou muito feliz por ter conseguido para entregar para eles.

Agora o próximo desafio é alinhar o lançamento oficial, mais novidades em breve 😉

Por que sobrevivente? Por que ‘Olho do Tigre’?

J: Um dos lemas que temos na equipe SIDEPIECE é que tudo o que fazemos precisa ser um momento. Seja uma grande música que bate do jeito certo, ou um show maluco, ou até mesmo uma simples aparição na imprensa, nós nos esforçamos para fazer com que tudo que os caras façam algo que valha a pena falar. Quando me deparei com essa ideia específica, soube imediatamente que ela se encaixava perfeitamente no ethos do SIDEPIECE. Foi inesperado, foi lendário, uniu mundos díspares, foi algo que ninguém nunca havia feito antes, e eu tinha que fazer acontecer. “Eye Of The Tiger” é uma música que praticamente todo mundo de todas as gerações conhece e tem ALGUM tipo de conexão, uma música que mesmo alguém ouvindo pela primeira vez iria ressoar, e eu sabia o quão impactante seria em um configuração ao vivo. Inferno, mesmo estando lá no palco, sabendo o que estava prestes a acontecer, eu ainda tinha a energia mais nervosa e empolgação que já tive na minha vida, e quando Jim saiu e tocou aquele primeiro acorde de guitarra eu senti isso voltando para nós da multidão imediatamente. Tenho certeza de que eu estava tão empolgado quanto qualquer um na multidão, se não mais, apesar de saber que estava chegando.

Você classificaria isso como um dos seus maiores ou mais orgulhosos momentos como gerente de artistas?

J: Sem dúvida, muito acima do maior momento da minha carreira até hoje. Eu estaria mentindo se dissesse que não fiquei incrivelmente emocionada no palco vendo os frutos do nosso trabalho se desdobrarem diante dos meus olhos. Trabalhei com um dos meus ídolos do rock desde criança, ajudei meus clientes a fazer um show inesquecível e que marcou minha carreira, criei um momento especial para nossos fãs e ajudei a montar um banger completo de uma música. É disso que se trata este trabalho para mim, e esse show foi tudo o que eu amo na música se fundiu na memória de uma vida.

Vimos as fotos do set e parecia que o SIDEPIECE tinha o palco o mais cheio possível. Quando você olhou para fora e viu o que você, sua equipe e seus artistas conseguiram, o que estava passando pela sua cabeça?

J: Para ser totalmente honesto, a única coisa que passou pela minha cabeça foi “Puta merda, puta merda, puta merda”. Total descrença de que tínhamos conseguido realizar um empreendimento tão grande, pura alegria que estava acontecendo exatamente como eu tinha imaginado, eu simplesmente não conseguia processar que minhas ideias malucas estavam ganhando vida na minha frente. As coisas raramente acontecem do jeito que estão planejadas, especialmente neste negócio, mas ver tudo acontecer assim, apenas… uau. A indústria da música nos coloca no limite, mas momentos como esse são o motivo pelo qual eu faço isso, e experimentá-los é meu lembrete para continuar avançando.

Ouvi dizer que você pessoalmente tem uma conexão única com o Lollapalooza. Você pode nos contar um pouco mais sobre isso?

J: O primeiro festival que eu fui fora da minha cidade natal (LA) foi o Lollapalooza 2009 – eu viajei para lá como um jovem de 16 anos de cara nova com meu melhor amigo, e pude ver lendas como Simian Mobile Disco, MSTRKRFT , Bloody Beetroots, Crookers, eu até vi The Glitch Mob tocar um set às 15h em uma mesa dobrável para uma multidão de TALVEZ 500 pessoas. Verdadeiramente os primeiros dias do boom da dance music, quando tudo ainda parecia underground, caótico e novo – eu já era um grande fã de dança, mas aquele único evento cimentou meu amor por festivais, cultura da dance music e tudo o que vinha com isso. Voltei em 2010 e 2011, e todos os 3 anos ainda são até hoje algumas das minhas memórias favoritas de festivais de música. Lolla ainda é meu festival favorito no planeta até agora. Então me formei no ensino médio e fui para a faculdade, mas já sabia a essa altura que queria trabalhar com música de alguma forma e me envolver na magia que comecei a testemunhar em eventos como o Lolla. Não tive a oportunidade de frequentar o Lolla durante a faculdade, mas assim que comecei minha carreira e vi como funciona esse lado do negócio, decidi que não voltaria a frequentar até que tivesse um artista atuando no alinhar.

Este ano marcou 11 anos desde a última vez que participei, e foi mais gratificante do que eu jamais poderia imaginar ver o objetivo que eu havia estabelecido para mim mesmo acontecer, e de uma maneira TÃO selvagem. Eu sou tão abençoada por trabalhar com pessoas tão talentosas, e ajudar a tornar seus sonhos realidade é o meu sonho.

Não tenho certeza se esse momento foi um objetivo específico que você estabeleceu para o projeto, mas, olhando para trás, tenho certeza de que será um momento de orgulho no geral. O que você espera realizar em seguida com o SIDEPIECE?

J: Eu certamente nunca ajudei a lançar o SIDEPIECE pensando que algum dia estaríamos trabalhando com o Survivor, com certeza haha. Que turbilhão (nem mesmo) 3 anos!

Acho que vai ser muito difícil superar o que acabamos de fazer, mas essa é a diversão e o desafio da gestão – agora é hora de ter ideias ainda mais loucas e fazer com que elas aconteçam também. Um dos meus maiores objetivos pessoais com o projeto é encontrar maneiras criativas e únicas de preencher a lacuna entre a cena underground/tech house/house e a esfera da música mais mainstream, algo que eu sinto que os caras já se destacam com suas composições e produção, de uma forma autêntica e impactante que todos os tipos de fãs podem ressoar de alguma forma.

Estamos sempre procurando maneiras de pensar fora da caixa, realizar coisas que ninguém esperava de nós e fazer cada música e show maior e melhor que o anterior. Já estou trabalhando no próximo grande momento para o próximo ano, ainda está em segredo, então você terá que esperar para ver, mas o Lollapalooza 2022 me deu a confiança de que podemos realizar qualquer coisa que nos propusemos e eu posso não espere que todos vejam o que mais está reservado! Afinal, todo mundo precisa de uma peça lateral…

Todas as fotos via Tyler Fuhrmeister

By roaws