Wed. Sep 28th, 2022


Verão DIFÍCIL voltou para o Centro de Eventos NOS dentro São Bernardino neste fim de semana passado para sua 14ª (!) edição e sua primeira incursão como um festival de 3 dias. Com uma programação repleta de alguns dos maiores nomes da dance music e do hip-hop, o HARD deste ano foi para as idades. Os palcos eram épicos, o layout era amigável e conveniente, as vibrações e energia da multidão estavam fora das paradas. Apesar do calor sufocante e da umidade no fim de semana, a Insomniac se certificou de que todos os headliners estivessem hidratados e sombreados enquanto festejavam noite adentro.

Em primeiro lugar, vamos falar sobre algumas das mudanças logísticas que Insônia feito para o layout do festival. A primeira coisa que notei do ponto de vista estético foram os palcos remodelados. Obviamente, a NOS acolhe vários festivais Insomniac ao longo do ano e, na maioria das vezes, os palcos estão encerrados numa mega-estrutura. Para o HARD do ano passado, a equipe fez a escolha interessante de remover quase todos os telhados das mega-estruturas, mas deixando as etapas intactas.

Este ano, as coberturas da megaestrutura foram totalmente eliminadas, permitindo que os palcos HARD e HARDer iluminassem o céu noturno. O palco HARD apresentou o design trapezoidal familiar que apareceu nos estágios anteriores do HARD e também evoca o templo maia do HARD Day of the Dead. A fase HARDer passou por uma evolução ainda mais drástica. Convertido em uma espécie de palco Coachella menor, o palco HARDer apresentava painéis de vídeo enormes adornando todo o palco. As multidões lá foram tratadas com cores e visuais insanos, bem como olhares de perto de seus artistas favoritos no palco.

Outra grande mudança que aliviou o tráfego foi o túnel que passou do estágio HARD para o HARDer. No ano passado, havia uma parede enorme entre os dois palcos e era preciso andar de volta e voltar para viajar entre os dois lugares. Este ano, o túnel ofereceu uma alternativa mais rápida, bem como um desvio para a Tenda Rosa, e permitiu mais respirabilidade entre os palcos. Na verdade, se você entrasse no túnel, era tratado com sombras e névoas que eram muito mais prevalentes este ano. O tempo pode ter sido péssimo, mas a Insomniac fez sua parte para ajudar a aliviar o calor.

Juliana Bernstein por Insomniac Events

O HARD sempre apresentou uma formação eclética que fica um pouco à esquerda do centro. Embora, é claro, houvesse artistas na programação que se encaixam nessa descrição e são pilares do HARD como Porter Robinson, Feito em, Alison País das Maravilhas e Jai Wolf; A house music foi grande e tomou conta deste ano com artistas que vão desde Chris Lake, Cultura vintage, Motivo de cera, James Hype, Anabel Englund e Matroda todos enfeitando o palco HARD. A programação de hip-hop deste ano também ofereceu algo para todos. Zoomers tem Lil Uzi Vert e Denzel Curry. Millennials tem Três 6 Máfia (Juicy J e Project Pat ainda estão dando duro!). Todos no meio conseguiram Garanhão Megan Thee e 21 Selvagem. Se você queria se animar ou se sentir bem, o HARD Summer deste ano pegou você.

Era uma multidão chegando tarde na sexta-feira ‘é sempre brutal dirigir em San Bernardino de Los Angeles a essa hora do dia. Gostei da sombra e da névoa da área VIP, pois Anabel Englund tinha qualquer pequena quantidade de headliners que estavam lá vibrando em seu set. James Hype foi um destaque definitivo com suas habilidades insanas de mixagem e maravilhosos mashups de g-house e clássicos do rap e hip-hop dos anos 2000. Pardo foi outro grande destaque, pois ele não se apresenta no HARD Summer desde 2015, quando o evento foi no Pomona Fairplex. Ele tinha sua banda ao vivo completa, visuais psicodélicos e, claro, aquele sax sexy. Deixei tudo na pista de dança para a apresentação de Griz. Esperamos que não tenhamos que esperar mais sete anos para vê-lo de volta ao HARD.

www.OHDAGYOPHOTO.com

Sábado definitivamente viu mais headliners descerem ao NOS Events Center. Comecei o dia de folga no palco HARD, onde Matroda estava jogando as vibrações da casa. Eu finalmente cheguei ao palco HARDer para alguns dos sets do LP Giobbi e ela continua a impressionar com sua marca única de house groovy, bem como visuais excepcionais. Quando o sol se pôs, o Three 6 Mafia subiu ao palco e a multidão começou a ficar empolgada quando a lendária dupla de Memphis jogou hit após hit de “Bin Laden”, “Side 2 Side” e “Poppin My Collar”. Mark de 2000 ficou muito feliz durante esse set, assim como muitos millennials, com certeza.

Após breves paradas em Dimension e Alison Wonderland, voltei ao HARDer para o destaque da noite. Madeon tocando Good Faith Forever ao vivo. Além de alguns sets de DJ, eu não tinha visto Madeon tocar ao vivo ao vivo desde o Coachella em 2015. Ele se apresentou com Porter Robinson no Coachella 2017, mas, novamente, fazia um tempo desde que eu vi Madeon solo, e foi vale a pena esperar. Liberando alguns dos visuais mais alucinantes que eu já vi, o cantor/compositor/produtor francês impressionou a multidão com interpretações ao vivo de suas faixas Good Faith, bem como versões atualizadas de seus antigos clássicos progressivos como “Imperium” e “You está ligado.”

Demian Becerra para eventos de insônia

Foi mais um dia inteiro no domingo, quando cheguei cedo para conferir um pouco do Space Wizard no Green Stage antes de ir para o palco HARDer para Rossy. O produtor e DJ em ascensão lançou um set apropriadamente DIFÍCIL de old skool trap que certamente fez seu sangue fluir se o calor estivesse te derrubando.

Os destaques do dia tinham que ser Sidepiece e Tchami. Com o sol se pondo e a noite final em andamento, a dupla de Nitti Gritti e Party Favor não decepcionou ao misturar habilmente grooves de house com clássicos dos anos 90 e 2000 que tiveram a vibração da pista de dança. Nota lateral, se você encontrou aquela área aberta à direita do palco HARDer que você teve sorte, você teve espaço para dançar a noite toda. E assim fizemos quando Tchami subiu ao palco. O renomado produtor/DJ francês lançou um set com todos os tipos de gêneros de house.

Porter Robinson encerrou a noite no palco HARD, e os fãs ficaram encantados com sua mistura de novas faixas como “Look at the Sky” e “Something Comforting”, bem como novas releituras de suas faixas clássicas do Worlds como “Easy ” e “Máquina Triste”. O HARD talvez seja um festival de música eletrônica, mas a musicalidade do próprio EDM está sempre em exibição no HARD Summer.

Keiki-Lani Knudsen para eventos de insônia

Embora não houvesse dúvidas de que o HARD Summer era uma vibe absoluta, e definitivamente há performances que ficarão comigo por um longo tempo. A única pergunta que tenho para o HARD daqui para frente é: três dias são realmente necessários? Esta época do ano é brutal, e certamente parecia que a multidão estava bem leve em certos momentos. A Insomniac também costuma anunciar a edição do próximo ano do festival imediatamente. Não recebemos esse anúncio para o HARD Summer 2023. É preciso supor que ele retornará à NOS, no entanto, talvez seja reduzido em um dia. De qualquer forma, o HARD Summer deste ano foi uma explosão absoluta, e espero que possa retornar de uma forma tão épica no próximo ano.

By roaws