Sat. Oct 1st, 2022


Metallica são a maior banda de metal que existe. Não quero nenhuma desculpa. Apesar de seu quinhão de erros na carreira e decisões polarizadoras, eles continuam a vender mais do que todos os outros artistas de música pesada de todos os tempos e lotam estádios em todos os cantos do planeta. É incompreensível imaginá-los em qualquer outra coisa que não seja o título principal – fato divertido; a última vez que eles abriram para outro artista foi em 2005 para dois shows com alguns iniciantes britânicos chamados o Rolando Pedras.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Encontrar Metallica cortes profundos não é tarefa fácil – como um dos maiores grupos do mundo, a maior parte de seu catálogo foi vasculhado e dissecado interminavelmente por sua legião de obstinados. Mas ainda há músicas que foram ignoradas tanto pela banda quanto pelos fãs. E não, não conseguimos incluir nada da bagunça quente que foi o Lou Junco álbum de colaboração Lula – alguns cortes profundos merecem ficar enterrados. Esse desastre claramente precisava de algum feedback não filtrado de Lars Ulrichpai do…

Então, com tudo o que foi dito, vamos agitar a pesada história de Metallica e descubra suas 10 joias mais subestimadas e esquecidas…

Uma trilha que surge no meio do caminho recarregar“Carpe Diem Baby” está enraizado na batida do blues/hard rock Metallica estavam vendendo em meados dos anos 90. Tem um ótimo refrão, uma ponte fantástica, alguns grandes riffs e a produção é absolutamente perfeita para esse estilo de som da banda – soa enorme. Além disso, ele traz um impressionante e raro solo de guitarra de James Hetfield. Levou Metallica até 2011 para tocar “Carpe Diem Baby” ao vivo, e mesmo assim eles só tocaram mais 3 vezes desde então. Muitos fãs de metal odeiam recarregarmas vale a pena revisitar, pois há algumas coisas boas e esquecidas nele – só não espere Mestre das Marionetes Parte II.

“Escape” é uma música de Passeio o Relâmpago que é mais famoso pelo desdém James Hetfield carrega para isso. Claro, é um pouco mais acelerado do que o resto do material do álbum – meio que soa um pouco Dama de Ferro-y às vezes – mas a passagem da ponte é excelente, com seu riff poderoso e cortante. Hetfield afirma que eles escreveram apenas para apaziguar sua gravadora e ele despreza a faixa – mas sentimos que ele está sendo um pouco duro demais com “Escape”. Foi jogado apenas uma vez, quando Metallica realizado Passeio o Relâmpago em sua totalidade por conta própria Órion Festival em 2012.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Após o lançamento de 2008 Morte Magnético foi revelado que Metallica tinha algumas músicas que sobraram que não fizeram parte do corte final desse disco. Três anos depois, o grupo abandonou o Além Magnético EP com o referido material. Verdade seja dita, eles não foram devastadores, mas o épico de sete minutos “Hell and Back” foi definitivamente o número mais forte do EP – na verdade, você provavelmente poderia colocá-lo na lista de faixas do LP pai em favor de pelo menos algumas músicas (“The Unforgiven III” alguém?) Muito parecido com o resto de Morte magnética, “Hell And Back” mergulha no passado do thrash metal, e o ótimo refrão facilmente faz da nossa seleção o ponto alto da música. Além do magnético.

Claro que todo casual Metallica fã conhece “No Leaf Clover” do lendário S&M concertos, mas e a outra nova composição dessas sessões “−Human”? É uma faixa pesada, com um grande riff afinado ancorando a música enquanto floreios orquestrais preenchem as lacunas. Alguém poderia argumentar que, se você removesse as seções de cordas e metais, o banger grosso e simplista se encaixaria perfeitamente St Raiva. Enquanto “No Leaf Clover” aparece de vez em quando no Metallica setlist, “-Human” nunca foi tocada além de 1999.

Um clássico, som thrash Metallica faixa gravada como única Registro Armazenar Dia single em 2014, “Lords of Summer” acabou sendo regravado e chegou à edição deluxe de Conectado… para se autodestruir dois anos depois. Certamente remete a Metallica de antigamente, com acenos líricos para gemas anteriores “The Four Horsemen” e “No Remorse”, enquanto apresenta algumas das Lars Ulrich‘s melhor bateria em idades. Definitivamente um grande corte que caberia confortavelmente em seu set ao vivo, definitivamente havia espaço na edição padrão de Com fio… para se encaixar em “Lords of Summer” – especialmente porque é mais forte do que algumas das músicas que fizeram o álbum duplo final.

Metallicaa lendária estreia Matar todos eles encontra o ato ainda ligado a muitas de suas influências, com uma fome insaciável em exibição. Muito material clássico aqui, mas o número menos apreciado no LP é o excelente, Dave Mustaine co-escrito “Phantom Lord”. Começa com um thrasher até o osso, antes que a seção do meio da guitarra limpa mostre a profundidade dinâmica que acabaria por separar Metallica do resto de seus pares. Claro Metallica retirá-lo de vez em quando ao vivo, mas como a música menos transmitida MatarEm Tudo“Phantom Lord” certamente constitui um corte profundo em nosso livro.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Não vamos fazer rodeios; Santa Raiva não é Metallicamelhor hora. Descontando o mencionado Lula car-wreck, pode-se dizer que o controverso lançamento de 2003 da banda é seu nadir absoluto. Há algumas coisas terríveis nele, mas há alguns momentos brilhantes – um deles sendo a subestimada “Sweet Amber”. Do excelente riff principal galopante ao refrão martelante, a música é uma das Santa Raivasão seleções menos inchadas e mais diretas. Literalmente jogado uma vez por Metallica lá atrás em 2004, é um dos momentos redentores em um comprimento completo ruim.

Longa sendo a música de introdução de seu show ao vivo, Metallica decidiu fazer sua própria Ênio Morricone obra-prima “The Ecstasy of Gold” para um álbum de tributo ao próprio homem em 2007. O quarteto mantém o modelo básico e a melodia da música, com a segunda metade da faixa abrindo em ritmo e energia. A capa parece crua e viva, e é outra música com Hetfield assumindo o papel de guitarra principal. Infelizmente não está disponível em nenhum serviço de streaming, vale a pena procurar para ouvir Metallica homenageando uma peça de música que se tornou sinônimo de seus lendários shows ao vivo.

Tirado da obra-prima imperfeita que é E Justiça para todos, “The Frayed Ends of Sanity” é um corte clássico que foi esquecido em favor de seus companheiros de trilha mais conhecidos. É um excelente exemplo do thrash metal tech/prog que Metallica estavam se aperfeiçoando nessa época, servindo um ciclo interminável de bateria complexa e riffs cromáticos, com a seção de ponte/solo de três minutos repleta de ótimos trabalhos de guitarra. Falando em solo, …Justiça é provavelmente o lar de Kirk HammettO jogo mais impressionante de ‘s, com a quebra de liderança para “The Frayed Ends of Sanity” um de seus melhores momentos.

Uma das capas menos conhecidas de Metallicaé sólido Garagem Inc álbum duplo, a visão da banda Descarga‘The More I See’, de ‘The More I See’, é tocada próxima à original. Com uma produção de heavy metal mais contemporânea e o ritmo apenas um toque, ele gela sem esforço com ‘tallicasom de. O fato de que Metallica abrir e fechar o primeiro CD de Garagem Inc com Descarga covers fala imensamente de sua influência na cena thrash metal. Além da pequena adição sorrateira de Robin TrowerA “Bridge of Sighs” do final da música como uma faixa escondida é um bônus legal…

Propaganda. Role para continuar lendo.

Como fomos? Existem outros, ainda mais obscuros Metallica faixas que perdemos? Deixe-nos saber nos comentários abaixo!

Quer mais metal? Assine nosso boletim diário

Digite seu e-mail abaixo para receber uma atualização diária com todas as nossas manchetes.

By roaws