Sun. Oct 2nd, 2022


O editor sênior da ComingSoon, Spencer Legacy, conversou com 13: O Musical estrelas Debra Messing e Eli Golden sobre trabalharem juntos no filme e as mensagens que a adaptação apresenta. 13: O Musical já está disponível para streaming na Netflix.

“Depois de se mudar de Nova York para Indiana, um garoto de 12 anos navega pelo divórcio de seus pais, seu bar mitzvah iminente e os círculos sociais de sua nova escola”, diz a sinopse do filme.



Spencer Legacy: Debra, você fez musicais no ensino médio e o show Smash, então como é fazer um filme musical?

Débora Messing: Fantástico! Eu fiz Dança suja e cantei uma música nisso, então isso me deu uma noção do que esperar, mas ver esse grupo de crianças de 12 anos ser tão talentoso, talento bruto, e vê-los claramente fazendo o que amam mais do que qualquer coisa em o mundo… isso me trouxe tanta alegria. Eu estava tipo, “qualquer um assistindo isso vai se encher de alegria e esperança”. Foi uma experiência incrivelmente edificante.

Eli, você tem uma música favorita para tocar?

Eli Dourado: Sim, eu acho que “dever de casa” [or] … agora eu não posso fazer “Bloodmaster”, mas quando eu consegui fazer “Bloodmaster” na chave original, eu realmente amei tocar isso. Também “Seria Engraçado”. Eu e Deborah devíamos repetir isso uma vez.

Debra, dando continuidade ao que você disse, quão gratificante é trabalhar nesse tipo de projeto e ver essa próxima geração de estrelas no início de suas carreiras?

Débora Messing: Parecia um privilégio, sabe? Como uma espiada no futuro, porque todos esses garotos… vamos vê-los todos na Broadway algum dia. Todos eles eram apenas grandes crianças. Eu acho que foi muito significativo que eles realmente tivessem 12 anos e não 19 jogando 12. Então, para ter esse tipo de senso de jogo de olhos arregalados, é como se eu pudesse cortar para 10 anos a partir de agora… é emocionante, é emocionante. Mal posso esperar para vê-los crescer e ir a todas as suas peças.

RELACIONADOS: Entrevista: Gabriella Uhl e Jonathan Lengel em 13: A Mensagem do Musical

Eli, você já ouviu falar de 13: The Musical antes? O que te atraiu para o projeto?

Eli Dourado: eu ouvi falar 13: O Musical através de pequenas produções, seja no acampamento ou se eu já vi isso pronto. Eu vi muitas pessoas cantando músicas de Patrice como “Lamest Place” e “That’s What It Means to Be a Friend”. Isso é o que realmente me atraiu para o projeto. Minha mãe, engraçado o suficiente, realmente era aquela que estava tipo… Eu estava saindo de uma grande perda porque eu estava muito perto de outra parte e não entendi. Não fiquei feliz com as audições do Zoom porque foi no momento em que o COVID estava em um pico muito alto e fiquei tipo: “Não quero fazer isso. Esqueça isso. Eu não quero fazer isso. Vou esperar até voltar pessoalmente”, mas minha mãe disse: “Vamos tentar isso. É muito legal. Você estará no set com crianças. Você conhecerá muitas pessoas muito, muito legais fazendo isso.” E eu disse tudo bem. E você sabe, retorno de chamada se transforma em retorno de chamada, se transforma em estou no Canadá.

Debra, que mensagem você espera que os adultos que assistam com seus filhos recebam da sua história?

Débora Messing: Oh Deus. Acho que ser compassivo com crianças dessa idade, 12, 13. É um momento muito, muito difícil. Você quer se encaixar e qualquer coisa que o faça diferente parece assustador. Além disso, espero que isso lembre as pessoas de educar seus filhos sobre outras culturas, porque essa educação acontece durante todo o filme e, no final, é realmente apenas uma celebração da inclusão e da diversidade.

By roaws