Sun. Dec 4th, 2022



Rita Hayworth, nascida Margarita Carmen Cansino, foi uma das estrelas de Hollywood mais icônicas da década de 1940, e esta produção, co-escrita e estrelada por Almog Pail, é uma clara carta de amor para a brilhante estrela. Embora o estilo e o entusiasmo do elenco sejam adoráveis ​​de se ver e assistir, este show original não conta a história de Rita com a clareza e o poder necessários para fazer justiça à sua vida emocional e de alto perfil. O deslumbrante vestido de coquetel azul da personagem titular, usado durante o primeiro ato, incorpora o glamour hollywoodiano de Hayworth, e a escrita destaca sua luta dentro de um homem.

Avaliação



Bom

★★★ Este tributo musical a Rita Hayworth coloca muito coração e energia em uma nova peça de teatro.

Rita Hayworth, nascida Margarita Carmen Cansino, foi uma das estrelas de Hollywood mais icônicas da década de 1940, e esta produção, co-escrita e estrelada por Almog Balde, é uma clara carta de amor para a estrela brilhante. Embora o estilo e o entusiasmo do elenco sejam adoráveis ​​de se ver e assistir, este show original não conta a história de Rita com a clareza e o poder necessários para fazer justiça à sua vida emocional e de alto perfil.

O deslumbrante vestido de coquetel azul da personagem titular, usado durante o primeiro ato, incorpora o glamour hollywoodiano de Hayworth, e a escrita destaca sua luta dentro de uma indústria poderosa e dominada por homens, fazendo um esforço louvável para retratar sua vida complicada e os indivíduos muitas vezes manipuladores que a cercam. sua. No entanto, ao lado disso, há mais de trinta personagens interpretados pelo elenco de cinco pessoas, todos utilizando adereços e figurinos diferentes, o que às vezes torna o enredo difícil de seguir. Os figurinos não fazem o suficiente para distinguir cada personagem e tudo se torna confuso. Da mesma forma, os prazos e a estrutura do show são complexos, com a jovem Rita e a Rita atual frequentemente atuando simultaneamente em flashbacks e narrativas. Esse estilo de narrativa é único e envolvente, mas requer maior desenvolvimento de clareza para garantir um roteiro perfeito.

Esses problemas foram ainda agravados por problemas com a qualidade do som durante a noite e houve pontos em que foi difícil ouvir o diálogo e o canto. Este último se beneficiaria com mais poder, mas a emoção por trás dos vocais e o comprometimento com os papéis são claros e agradáveis.

O local em si é um pequeno e encantador teatro que possui um espaço de tela em branco adaptável para todos os tipos de apresentações. Embora isso se adapte bem ao estilo redondo desse musical, o uso de adereços se mostra difícil e a encenação costuma ser complicada e confusa. Da mesma forma, o cenário de palco no centro é um ponto focal útil que chama a atenção e é usado magnificamente em meio aos números de dança, mas muitas vezes parece uma obstrução em um teatro tão pequeno.

A coreografia e a energia talentosa com que o show é realizado é de longe a parte mais impressionante desta produção. Jacqui JamesonA coreografia de sapateado é linda, utilizando todo o espaço de forma brilhante. É fabulosamente executada, como uma homenagem a Fred Astaire e Rita, a suposta parceira de dança favorita de Astaire.

Esta é uma tentativa sincera de um novo musical original que, embora exija um maior desenvolvimento do roteiro, design de som e encenação, é uma clara homenagem ao ícone Rita Hayworth.


Escrito por: Almog Pail e Stephen Garvey
Direção: Steve North
Coreografia: Jacqui Jameson
Produzido por: Laura Lundy, Blue Panther Productions https://www.bluepantherproductions.com/
Direção Musical: Logan Medland

Love Goddess, o Musical de Rita Hayworth em cartaz no Cockpit Theatre até 23 de dezembro. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By roaws