Wed. Sep 28th, 2022


“Who Invited Them” destaca todas as fontes potenciais de drama e/ou sátira, a ponto de, cerca de 21 minutos de filme, Tom dar uma cotovelada nas costelas dos espectadores quando exclama: “Nós somos os vizinhos”. Também não há tensão sustentada para unir os dois casais do filme, não entre Adam e Margo – “Você adorava festas”. “Eu fiz?” – nem Tom e Sasha, cuja maior peculiaridade parece ser que ambos são meio malcriados. Tom eventualmente explica a Adam que ele e Sasha gostam muito de Adam e Margo para machucá-los. Oh bem, isso pode ter sido divertido.

Uma vez que você tenha uma ideia do que é basicamente disfuncional sobre esses dois casais, há muito mais lugares que o filme pode ir. Mas as atuações dos principais membros do elenco, especialmente Granaderos e Hansen, não têm culpa; seus personagens são tão detestáveis ​​e óbvios quanto as personalidades bem enunciadas e subsequentemente abandonadas de seus respectivos parceiros. Todos os quatro membros do elenco principal fazem o seu melhor, mas “Quem os convidou” apenas um pouco se anima no final, uma vez que os planos bem guardados de Tom e Sasha finalmente saem dos trilhos.

Até então, a parte mais intrigante do filme de Birmingham deve ser uma subtrama inconsistente envolvendo o jovem filho de Adam e Margo, Dylan (Kalo Moss), que passa a maior parte do filme dormindo na casa de um amigo próximo. A mãe desse amigo, Teeny (Tipper Newton), faz uma longa viagem de volta para a casa de Adam e Margo depois que Dylan acorda e reclama que não pode voltar para a cama sem seu Pookie (um macaco de pelúcia). Teeny desaparece por um tempo, e só ressurge duas vezes, a primeira vez depois de mais 30 minutos. Eu gostaria que houvesse um anticlímax de cachorro peludo mais forte na história de Teeny (pensei em Sir Lancelot de John Cleese atacando o castelo do príncipe Herbert em “Monty Python e o Cálice Sagrado”). Não há, porque “Quem os convidou” nunca se compromete totalmente com isso ou qualquer outra parte.

Agora jogando no Shudder.

By roaws