Sun. Oct 2nd, 2022


ComingSoon falou com Eles / Eles estrelado por Cooper Koch, Darwin del Fabro, Monique Kim e Anna Lore sobre o próximo slasher de Peacock ambientado em um campo de conversão. O filme já está disponível no streamer.

RELACIONADO: Entrevista Eles/Eles: Kevin Bacon e Carrie Preston discutem o Slasher Único

“Kevin Bacon interpreta Owen Whistler neste filme de terror slasher ambientado em um campo de conversão LGBTQIA+”, diz a sinopse. “Vários campistas queer e trans se juntam a Whistler para uma semana de programação destinada a ‘ajudá-los a encontrar uma nova sensação de liberdade’. À medida que os métodos do acampamento se tornam cada vez mais psicologicamente perturbadores, os campistas devem trabalhar juntos para se proteger. Quando um misterioso assassino começa a fazer vítimas, as coisas ficam ainda mais perigosas.”



Tyler Treese: Cooper, há uma ótima cena no filme onde todos vocês estão cantando “Effing Perfect” do p!nk, e parece que vocês tiveram a maior explosão cantando isso. Isso é mesmo atuação nesse ponto, ou você está apenas se divertindo fazendo um karaokê?

Cooper Koch: Não, foi tão divertido. Esse também é o ponto de virada para Stu, é quando Stu descobre.

Darwin, há uma montagem de todos os participantes do acampamento fazendo atividades do acampamento: cabo de guerra e jogando jogos assim. Quais foram os destaques dessas atividades para você?

Darwin del Fabro: Acho que ter todos juntos, apenas se divertindo e respirando. É a Geórgia, como a natureza, e [to] estar perto disso… sou de Nova York, então não tenho isso todos os dias. Então é só me divertir um pouco, e me colocar naquele acampamento de verão que eu nunca tive no Brasil.

Monique, você e Anna compartilham algumas cenas fantásticas. Como vocês trabalharam em sua química e a desenvolveram?

Monique Kim: Na verdade, não nos suportamos. Há muita atuação envolvida.

Ana Lore: Eu acho que não havia nada para trabalhar, em termos de química. Nós apenas temos um ao outro como atores. Nos entendemos como artistas. Nós dois somos muito respeitosos e estávamos muito animados para interpretar esses personagens e contar a história de Kim e Veronica. Não quero falar por nós dois, mas foi fácil. Foi um dos trabalhos mais fáceis de todos os tempos.

Monique Kim: Sim, assim que conheci Anna, confiei nela imediatamente. Como ator, isso é simplesmente libertador. Então eu só tive que reagir ao que ela estava me dando e, honestamente, ela fez todo o trabalho pesado. Eu só tinha que fazer expressões faciais. então, e isso é igual a química, para responder à sua pergunta.

Ana Lore: Eu queria acrescentar que, quando estamos cantando “Effing Perfect”, esse foi o último dia em que nós seis campistas estávamos juntos no set. Esse foi o último dia em que todos nós estávamos lá no mesmo dia, então foi muito emocionante e especial também nesse sentido.

Cooper Koch: Foi também a primeira coisa que ensaiamos, [it] foi a primeira coisa que fizemos. Nosso primeiro ensaio foi fazer “Effing Perfect”.

Tinha que ser um momento de beliscar que você estava em um filme de terror com Kevin Bacon. Tenho certeza que o fator de frieza não se desgastou. Qual foi a sua grande lição de trabalhar com essa lenda?

Ana Lore: É uma aula de atuação, observá-lo. Eu estava tão obcecada em vê-lo logo antes de uma tomada para vê-lo passar de Kevin para Owen Whistler. Para vê-lo se transformar desse cara legal e frio – Ele é tão quente. Ele é muito generoso com seu tempo e sua energia para nós – E então vê-lo assumir esse personagem que não poderia ser mais diferente dele como pessoa… Eu não conseguia tirar os olhos disso.

Cooper, você falou sobre Stu começando a se abraçar por quem ele é à medida que o filme avança. Com o que a jornada do seu personagem você realmente se conectou?

Cooper Koch: Eu acho apenas isso. Quando eu estava crescendo, quando estava no ensino médio e no meu primeiro ano de faculdade, eu também não queria ser quem eu era. Então eu acho que foi assim que eu mais me conectei a ele. Eu mesmo já passei por essa jornada. Então foi lindo fazer isso de novo através de outra pessoa. É muito catártico, mas também muito curativo e bonito. Eu tinha um grande grupo de queers ao meu redor.

Darwin, eu amo a reviravolta que temos neste filme com seu personagem. O que te empolgou sobre Gabriel e poder mostrar diferentes lados dele?

Darwin del Fabro: Ah, essa é uma boa pergunta. Acho que a emoção é apenas… Gabriel começa a jornada deste filme. É tão frágil e delicado e as pessoas o julgam por sua aparência. Descobrimos durante a jornada do filme que ele é muito poderoso, e é bom saber que você pode ser poderoso celebrando quem você é.

By roaws